Menu Ouça ao vivo

Fechar

  • O Grupo
  • Anuncie
  • Contato
  • Mandados são cumpridos em Frederico Westphalen e mais 13 municípios do RS e SC em Operação da PF

    Grupo de empresários teria sonegado cerca de R$ 180 milhões em impostos

    A Polícia Federal (PF) de Santa Maria desencadeou, nesta quarta-feira, 7 de novembro, a Operação Caementa — que em latim significa "pedras pequenas" — para combater um esquema criminoso que envolveria lavagem de dinheiro, fraudes e corrupção. Oito pessoas foram presas e foram cumpridos 37 mandados de busca e apreensão, em 13 municípios gaúchos e um de Santa Catarina.

    A operação teve início ainda cedo, pouco depois das 6 horas, e os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em uma empresa de Santa Maria. O nome da empresa não foi divulgado, mas informações preliminares dão conta de que seria ligada ao segmento de concreto. São objeto da investigação 14 empresas controladas por um único grupo estabelecido em Santa Maria.

    Conforme a PF, o inquérito aponta que os investigados teriam sonegado tributos e contribuições sociais, desviado patrimônio das empresas endividadas — que se encontram em recuperação judicial — e ocultado o proveito dos crimes por meio da criação de empreendimentos de fachada.

    O esquema fraudulento teria movimentado a cifra de R$ 180 milhões. Por isso, a 7ª Vara Federal de Porto Alegre — a pedido da PF — decretou a indisponibilidade de um patrimônio inicialmente estimado em mais de R$ 80 milhões. Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidos R$ 150 mil e 20 mil dólares na residência do principal investigado. 

    A ação, além de Santa Maria, também ocorreu em Porto Alegre, Bagé, Carazinho, Caxias do Sul, Frederico Westphalen, Garibaldi, Maquiné, Panambi, Passo Fundo, Rosário do Sul, São Sebastião do Caí e Três de Maio, além de Camboriú (SC).

    A Operação Caementa contou com o apoio da Receita Federal. Ao todo, mais de 150 policiais federais e 16 auditores fiscais que cumpriram os mandados judiciais.

    Em entrevista coletiva o delegado da Polícia Federal, Diogo Caneda, responsável pela investigação falou sobre as investigações. O áudio foi cedido ao Grupo Chiru Comunicações pela Rádio Medianeira – 102,7 FM, de Santa Maria. Confira.

    Fonte: GaúchaZH

    Jornalismo Grupo Chiru